Passo a Passo: Como Escolher a Semente de Feijão Certa para o Plantio

 

A plantação de feijão, sendo uma cultura fundamental para o agronegócio brasileiro, demanda conhecimento detalhado e práticas específicas para garantir uma colheita produtiva. Neste guia, abordaremos aspectos essenciais desde a escolha da variedade até a colheita.

 

1) Grupos do Feijão

 

 

Feijão Carioca: conhecido por sua coloração bege com listras marrons. É de tamanho médio e geralmente é consumido misturado com arroz. 

Feijão Preto: muito consumido no Rio de Janeiro e é o principal ingrediente da feijoada. 

Feijão Branco: é menos consumido, tem grãos maiores e é usado na receita de dobradinha. 

Feijão Vermelho: geralmente menor, tem casca fina e é usado em várias receitas brasileiras. 

Feijão Caupi: cultivado no norte e nordeste do Brasil e é rico em nutrientes e proteínas. 

Feijão Jalo: pouco conhecido no Brasil, tem sabor adocicado e caldo mais grosso. 

Feijão Verde: popular no Nordeste e tem mais proteínas do que a ervilha e a vagem. 

Feijão Cavalo: é semelhante ao feijão-vermelho e é usado em saladas. 

Feijão Adzuki: é pequeno, adocicado e usado em sobremesas japonesas. 

Feijão Roxinho: tem textura macia e é mais consumido na região Sudeste do Brasil.

 

Ciclo do Feijão: Diferentes variedades têm ciclos distintos, o que influencia no tempo de plantio e colheita.

Existem diferentes ciclos de cultivo para as variedades de plantas. 

 

Ciclo normal: duração média de 90 dias e requer cuidados específicos durante o plantio e desenvolvimento. 

Ciclo precoce: com cerca de 75 dias para algumas cultivares, e as plantas amadurecem mais rapidamente do que no ciclo normal. 

Ciclo superprecoce:  mais curto, com menos de 65 dias, foi introduzido com a cultivar BRS FC104. Essa variedade permite uma colheita mais rápida, além de reduzir os custos de produção devido ao menor ciclo.

 

2) Épocas para Plantar Feijão

Períodos Recomendados: Águas (setembro a novembro), seca (janeiro a março) e outono-inverno (maio a julho).

A época ideal de plantio varia de acordo com o estado, demandando adaptação às condições locais.

 

Fonte

 

3) Pré-Plantio

 

 

Antes de iniciar o cultivo de feijão, é crucial entender fatores que impactam diretamente a produtividade da cultura. As condições do solo, clima, temperatura e chuva são cruciais para o sucesso do plantio e para evitar perdas na colheita. 

 

Temperatura: ideal 21 °C, com faixa ótima entre 18 °C e 24 °C. Temperaturas extremas abaixo de 12 °C ou acima de 30 °C prejudicam a germinação, crescimento e a produção.

Radiação Solar: a luz adequada é vital para o crescimento saudável. Controle a intensidade solar até o florescimento, evitando excessos que levem ao aborto de flores.

Precipitação Pluvial: quantidade ideal de 350 mm a 450 mm, distribuídos uniformemente. Chuvas excessivas causam problemas como doenças e tombamento das plantas. A falta de chuva afeta o crescimento e a produção.

Solo: as plantas de feijão preferem solos mais soltos, fofos, bem drenados, e ricos em matéria orgânica, evitando encharcamento. Em áreas de várzea, cultive durante períodos secos para evitar alagamentos.

 

4) Preparo do Solo

 

 

Preparar o solo de forma adequada é fundamental para garantir a produtividade e o desenvolvimento saudável do feijão.

 

Calagem e Adubação:

  • Realize calagem e adubação para otimizar a fertilidade do solo.
  • Mantenha o pH entre 6 e 7, com saturação por bases acima de 70%.
  • Faça análise química a cada 2-3 anos para garantir níveis ideais de nutrientes.

 

Sistema de Plantio:

  • Plantio Convencional: 

No sistema de plantio convencional, o solo é revolvido com arados e grades. Isso inverte as camadas do solo e incorpora os restos vegetais, promovendo a mineralização da matéria orgânica e liberando nutrientes rapidamente para as plantas. No entanto, esse método também aumenta a evaporação da água, o risco de erosão e os custos de produção.

  • Plantio Direto:

Já o plantio direto preserva a estrutura do solo, evitando o revolvimento. Isso resulta em vantagens como a redução de custos com implementos agrícolas, aumento da retenção de água, proteção contra erosão e compactação, maior teor de matéria orgânica e microbiota do solo, além de um ambiente mais favorável para as raízes das plantas.

Durante a entressafra, é importante utilizar diferentes espécies de plantas como cobertura vegetal. Isso ajudará a manter uma camada constante de palha no solo. Além disso, é recomendado o uso de espécies com raízes agressivas, como o nabo forrageiro, para descompactar a camada superficial do solo.

 

Fonte 1

Fonte 2

 

5) Práticas para o Plantio

 

 

Dicas para o plantio de feijão: Para ter sucesso na plantação de feijão, é importante planejar antes mesmo de começar a plantar. Alguns aspectos que você deve considerar são:

 

Profundidade: A profundidade de plantio do feijão varia de acordo com o tipo de solo. Em solos arenosos, o ideal é plantar a uma profundidade de 5 a 6 centímetros. Já em solos argilosos, a profundidade ideal é de 3 a 4 centímetros.

Densidade: A densidade de plantio também é importante. A densidade ideal é aquela em que as plantas cobrem toda a área durante o florescimento. A média recomendada é de 10 a 15 sementes por metro. O número de plantas varia de 250 mil a 300 mil por hectare. No entanto, é importante considerar o histórico de doenças na lavoura ao definir a densidade.

Espaçamento: O espaçamento entre as linhas varia de acordo com o tipo de feijão. Para feijões do tipo 1 e 2, o espaçamento recomendado é de 40 cm a 50 cm entre linhas. Já para feijões do tipo 3, o espaçamento varia de 50 cm a 60 cm entre linhas. Pesquisas mostram que os melhores rendimentos são obtidos com espaçamentos de 40 cm a 60 cm entre linhas e com 10 a 15 plantas por metro.

Adubação: Os nutrientes mais importantes para o feijoeiro são nitrogênio, fósforo e potássio. A absorção desses nutrientes ocorre em diferentes épocas. O nitrogênio é absorvido ao longo de todo o ciclo, com maior velocidade dos 35 aos 50 dias após a emergência da planta. O fósforo é absorvido principalmente entre 30 e 55 dias após a emergência, antes do florescimento. Já o potássio é absorvido em dois períodos, o primeiro entre 25 e 35 dias (diferenciação dos botões florais) e o segundo dos 45 aos 55 dias (final do florescimento e início da formação das vagens). É importante conhecer essas informações para fazer uma adubação adequada.

Quantidades de nutrientes: Durante o desenvolvimento, a planta de feijão é capaz de exportar quantidades específicas de nutrientes. Para cada 1.000 kg de grãos produzidos, a planta exporta aproximadamente 35,5 kg de nitrogênio, 4 kg de fósforo, 15,3 kg de potássio, 3,1 kg de cálcio, 2,6 kg de magnésio e 5,4 kg de enxofre.

 

6) Tipos de hábitos de crescimento de feijão

Existem quatro tipos de hábitos de crescimento do feijoeiro que é importante conhecer antes de iniciar o plantio. Cada tipo de hábito requer cuidados diferentes. 

 

Fonte

 

Tipo 1: As plantas desse tipo têm um crescimento ereto, com formato de arbusto. A ramificação terminal é uma inflorescência.

Tipo 2: As plantas desse tipo continuam crescendo após o início da floração. Elas têm um porte arbustivo, semi ereto e pouca ramificação nos caules.

Tipo 3: As plantas desse tipo têm um crescimento prostrado indeterminado e uma boa ramificação. Isso pode levar ao acamamento das plantas e dificultar os cuidados culturais.

Tipo 4: As plantas desse tipo precisam de suporte para conduzir as ramificações. O crescimento delas é indeterminado e trepador. Se não forem conduzidas corretamente, as plantas podem formar um emaranhado de caules, aumentando a incidência de doenças e pragas e dificultando a colheita.

 

7) Colheita

 

 

A época ideal para colher o feijão é logo após atingir a maturidade fisiológica, que geralmente ocorre de 80 a 100 dias após a germinação. 

Um indicador de que o feijão está maduro é a mudança de cor das vagens, que passam de verde para "cor de palha". Em áreas menores, a colheita é geralmente feita manualmente devido à menor quantidade de produção.

Existem três tipos de colheita: manual, semimecanizada e mecanizada. 

 

Colheita Manual:

Esse método é custoso e tem baixa eficiência. Geralmente, é adotado em pequenas áreas, onde a eficiência operacional é menos crucial. O processo envolve arrancar manualmente as plantas, secá-las e separar os grãos das vagens manualmente.

 

Colheita Semimecanizada:

Esse é o método mais utilizado, proporcionando maior eficiência em comparação com a colheita manual. Parte da colheita é feita manualmente ou com cortadoras e enleiradoras, enquanto a trilha e abanação são automatizadas, tornando o processo mais ágil e menos dispendioso.

 

Colheita Mecanizada:

Na colheita mecanizada, a mesma é realizada com colhedoras autopropelidas que realizam todas as ações simultaneamente. O processo totalmente mecanizado elimina a necessidade de intervenção manual na colheita, tornando-a altamente eficiente e escalável para grandes plantações.

 

Ao seguir esses passos, vocês estarão mais aptos a obter uma colheita produtiva e de qualidade, contribuindo para o fortalecimento da produção de feijão no agronegócio brasileiro.

 

 

Referências:

AEGRO. Plantio de Feijão: Dicas Essenciais Para Uma Boa Produção. AEGRO Blog. Disponível em: https://blog.aegro.com.br/plantacao-de-feijao/

Syngenta Digital AG. Plantio de Feijão: Conheça as Melhores Práticas. Syngenta Digital AG Blog. Disponível em: https://blog.syngentadigital.ag/plantacao-de-feijao/

AGROPOS. Tipos de Feijão: Conheça as Variedades Mais Cultivadas. AGROPOS Blog. Disponível em: https://agropos.com.br/tipos-de-feijao/